15/08/2022

Entrevista: Superar a crise exige ousadia e coragem

A pandemia escancarou o que especialistas em mobilidade urbana já sabiam. Mostrou que o transporte público beneficia quem usa e também aqueles que não utilizam o serviço essencial. “Os estoquistas de supermercado, balconistas de farmácia, policiais militares, empregados da área de saúde somente puderam chegar aos seus essenciais postos de trabalho porque o transporte público não foi paralisado”, afirma Sérgio Avelleda, que foi secretário de mobilidade urbana e transportes da cidade de São Paulo, e hoje coordena o Núcleo de Mobilidade Urbana do Laboratório Arq.Futuro de Cidades do Insper Instituto de Ensino e Pesquisa.

Avelleda não hesita em chamar o poder público à responsabilidade pela omissão no avanço do transporte individual sobre o coletivo. Na entrevista à NTUrbano, o especialista aprofunda o olhar sobre o ônibus urbano, avalia que o modal pode recuperar passageiros que migraram para outros meios de deslocamentos, mas adverte que o projeto do marco legal para o transporte público, apresentado no Senado Federal, “para ficar de pé, vai exigir uma mudança de mentalidade e da maneira de fazer negócios e de prestar serviços.”

FONTE: REVISTA NTU

Leia completo em https://www.ntu.org.br/novo/ckfinder/userfiles/files/Entrevista57.pdf